A Governança Corporativa é um conceito que engloba todo conjunto de práticas, políticas e processos que vão regular a administração da empresa. Juntamente com o crescimento das empresas, foi surgindo a necessidade de conciliar interesses de sócios e administradores, ainda que conflitantes.

Internacionalmente a Governança Corporativa ganhou força devido a escândalos corporativos, o que impulsionou a necessidade de estabelecer diretrizes mais rígidas e palpáveis quanto a administração empresarial. Já no Brasil, essas práticas são mais recentes e ganharam força principalmente nos anos 90 com várias privatizações e com a abertura do mercado nacional.

Neste sentido, também foi criado o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, conhecido como IBGC, ele é responsável por elaborar e divulgar quais são as melhores práticas de governança corporativa a serem seguidas pelo empresariado brasileiro.

Quais os benefícios da Governança Corporativa?

A Governança Corporativa tem como principal objetivo mediar os interesses dos sócios e administradores de uma empresa na tomada de decisões, buscando o bem comum da empresa e reduzindo assim possíveis conflitos internos. Sua ação acaba garantindo controle, qualidade na gestão, sustentabilidade econômica a longo prazo além de evitar fraudes na administração.

De modo geral, a sua implementação permite que a empresa determine objetivos a longo prazo, dando um sentido maior a empresa do que apenas cumprir com suas funções e tarefas rotineiras sem um direcionamento mais profundo, além de também estabelecer as melhores formas de se atingir esse objetivo através de um plano.

A Governança Corporativa acaba dando um propósito maior para o grupo empresarial, envolvendo todos as suas partes, e inclusive mostrando para a sociedade e possíveis investidores quais são os reais objetivos da empresa.

Suas principais práticas e ações são o monitoramento, controle e divulgação de informações. Através dessas práticas o sistema irá avaliar, monitorar e direcionar toda gestão do negócio, visualizando o objetivo principal da empresa e realizando ações para direciona-la a esse objetivo.

As principais ferramentas utilizadas são os conselhos administrativos, conselhos consultivos, relatórios periódicos, compliance, etc. E todas as ações são realizadas seguindo princípios como equidade, transparência, responsabilidade corporativa e prestação de contas.

A Governança Corporativa e as empresas familiares

O Brasil possui um grande número de empresas familiares, e o avanço da Governança Corporativa também tem atingido bastante esse modelo empresarial. Conforme tais empresas vão crescendo, sua administração fica cada vez mais complexa, sendo necessário melhorar seus mecanismos de controle, gestão e transparência. Para isso é preciso definir os papéis dos sócios, administradores e integrantes da família, visando as necessidades atuais e futuras da empresa.

Uma das ferramentas utilizadas pela Governança Corporativa em empresas familiares é o “protocolo familiar”, que consiste em um acordo estabelecido entre entes familiares para reforçar a coesão entre os sócios, além de transmitir o legado e os valores da família presentes em seu negócio. Esse protocolo tem como objetivo sedimentar de forma clara quais são os valores da empresa, quais os papéis dos sujeitos envolvidos e também reflexões sobre o futuro, os principais desafios e objetivos daquela empresa familiar.

Para produzir tal protocolo o ideal é que diferentes gerações familiares estejam envolvidas, e também é importante envolver um mediador externo para auxiliar neste processo de forma neutra, deixando quaisquer divergências pessoais de lado para focar inteiramente na empresa em si.

Os principais assuntos abordados nestes protocolos giram em torno de: ingresso de novos familiares nos quadros da empresa; separação de papéis nas esferas da família, propriedade e gestão; remuneração da família na gestão e no conselho; resolução de conflitos; saída de familiares da sociedade; participação de cônjuges na empresa, entre outros.

Ações para implementar a Governança Corporativa

Existem muitas ações que podem ser tomadas para se implementar a Governança corporativa, elas giram em torno de planejar de forma clara como se dará o funcionamento da empresa para alcançar determinado objetivo, e quais são os papeis dos sujeitos envolvidos nisso. Para isso é preciso que os processos possuam transparência, hierarquia clara, reuniões e acompanhamentos constantes sobre os projetos e ações da empresa, entre outros. Alguns passos principais podem ser seguidos e entendidos como básicos para tal implementação, porém é importante ressaltar que cada implementação se dará de maneira particular e única de acordo com as características de cada empresa. Estabeleceremos aqui algumas medidas gerais que podem ser adaptadas a cada empresa:

Separe questões pessoais dos recursos da empresa: (principalmente quanto as empresas familiares)

A separação dos recursos entre pessoais e profissionais é de extrema importância para o bom funcionamento da empresa, nenhum administrador deve usar os recursos empresariais para fins pessoais. Tal divisão pode contribuir muito para evitar fraudes e misturas patrimoniais de modo geral.

Forme um conselho consultivo:

O conselho consultivo pode servir como pedra fundamental dos princípios e valores que serão levados em conta na tomada de decisões da empresa, já que com um conselho estabelecido a visão estratégica do negócio será englobada em todos os momentos em que o conselho atuar.

Acompanhe e avalie projetos

O monitoramento e avaliação de projetos é fundamental para otimizar e preservar os valores gerados por acionistas, por isso é essencial fortalecer as atividades estratégicas, conhecer custos, rentabilidade e viabilidade dos serviços prestados, dos projetos em andamento, etc. Neste momento, a utilização de ferramentas e tecnologias pode auxiliar e muito todo o processo de acompanhamento dos projetos ativos e em análise.

Otimize os processos financeiros

Através da otimização da gestão financeira é possível otimizar a rotina de trabalho do departamento financeiro, focando menos em questões burocráticas e técnicas, passando a participar mais ativamente e estrategicamente na organização como um todo, e não só na parte financeira que pode se distanciar do resto da empresa e dos seus verdadeiros objetivos.

Promova a transparência

A transparência é um dos princípios básicos de toda Governança Corporativa, ela envolve disponibilizar constantemente informações do interesse de “stakeholders”, além de ser essencial para direcionar a otimização do valor da empresa, mostrando onde estão os verdadeiros investimentos e expectativas para os interessados, além disso, internamente todos os envolvidos vão se sentir incluídos nas metas, objetivos e direcionamentos da empresa, participando ativamente das suas decisões e acompanhando os desdobramentos dessas ações.

Fortaleça as lideranças

Por fim, todos os princípios e etapas da implementação dessas novas políticas vão depender de uma (ou mais) figura (s) de liderança dentro da empresa, apta a guiar toda a estrutura empresarial para ir em uma determinada direção. Seu papel vai envolver principalmente na coesão da empresa, unificando questões divergentes e colocando todos os processos empresariais para um único direcionamento, porém durante esse processo o líder precisa ouvir os gestores e administradores a todo tempo, para garantir que o caminho a ser tomado está de acordo com todos os passos que foram estabelecidos e decididos pela empresa.

Toda implementação da Governança Corporativa vai ter como base os princípios da empresa, seus valores e seu objetivo a longo prazo, por que tais aspectos vão determinar as particularidades de cada empresa e consequentemente qual será a melhor forma para tal implantação. Portanto para que a implementação seja útil, é necessário que haja um profundo mapeamento envolvendo todas essas questões particulares para que essa base fundamental seja estabelecida de forma correta, e para que os frutos colhidos com a implementação da Governança Corporativa estejam de acordo com as necessidades empresariais que a motivaram.